Como a gratidão pode nos ajudar em tempos difíceis

É fácil sentir-se grato quando a vida é boa, diz Robert Emmons . Mas quando ocorre um desastre, a gratidão vale o esforço.


Uma década de pesquisas sobre a gratidão me mostrou que, quando a vida está indo bem, a gratidão nos permite celebrar e engrandecer a bondade. Mas e quando a vida vai mal? Em meio ao turbilhão econômico que assolou nosso país, muitas vezes me perguntaram se as pessoas podem - ou até deveriam - sentir-se gratas sob tais circunstâncias terríveis.


Minha resposta é que não apenas uma atitude de gratidão ajudará - ela é essencial . Na verdade, é precisamente em condições de crise que temos mais a ganhar com uma perspectiva de gratidão na vida. Em face à adversidades, a gratidão tem o poder de energizar. Em face à momentos de aflição, a gratidão tem o poder de curar. Diante do desespero, a gratidão tem o poder de trazer esperança. Em outras palavras, a gratidão pode nos ajudar a enfrentar os tempos difíceis.


Não me interpretem mal. Não estou sugerindo que a gratidão virá fácil ou naturalmente em uma crise. É fácil sentir-se grato pelas coisas boas. Ninguém “se sente” grato por ter perdido um emprego, uma casa ou uma boa saúde, ou por ter sofrido um golpe devastador em seu portfólio de aposentadoria.


Mas é vital fazer uma distinção entre sentir-se grato e ser grato. Não temos controle total sobre nossas emoções. Não podemos facilmente desejar que nos sintamos gratos, menos deprimidos ou felizes. Os sentimentos decorrem da maneira como vemos o mundo, pensamentos que temos sobre como as coisas são, como deveriam ser e a distância entre esses dois pontos.


Mas ser grato é uma escolha, uma atitude prevalecente que perdura e é relativamente imune aos ganhos e perdas que fluem para dentro e para fora de nossas vidas. Quando ocorre um desastre, a gratidão oferece uma perspectiva a partir da qual podemos ver a vida em sua totalidade e não ser oprimidos por circunstâncias temporárias. Sim, essa perspectiva é difícil de alcançar - mas minha pesquisa diz que vale a pena o esforço.



Lembre-se do mal


As provações e o sofrimento podem realmente refinar e aprofundar a gratidão se permitirmos que eles nos mostrem que não devemos considerar as coisas como certas. Nosso feriado nacional de gratidão, o Dia de Ação de Graças, nasceu e cresceu depois de tempos difíceis. O primeiro Dia de Ação de Graças aconteceu depois que quase metade dos peregrinos morreu devido a um inverno e um ano difíceis. Tornou-se feriado nacional em 1863 no meio da Guerra Civil e foi transferido para sua data atual na década de 1930 após a Depressão.


Por quê? Bem, quando os tempos são bons, as pessoas consideram a prosperidade garantida e começam a acreditar que são invulneráveis. Em tempos de incerteza, porém, as pessoas percebem como são impotentes para controlar seu próprio destino. Se você começar a ver que tudo o que você tem, tudo com que você contava, pode ser tirado, torna-se muito mais difícil dar por garantido.


Portanto, a crise pode nos tornar mais gratos - mas a pesquisa diz que a gratidão também nos ajuda a lidar com a crise. O cultivo consciente de uma atitude de gratidão cria uma espécie de sistema imunológico psicológico que pode nos proteger quando caímos. Há evidências científicas de que pessoas gratas são mais resistentes ao estresse, sejam pequenos aborrecimentos do dia-a-dia ou grandes problemas pessoais. O contraste entre sofrimento e redenção serve de base para uma das minhas dicas para praticar a gratidão: lembre-se do mal.


Funciona assim: pense nos piores momentos da sua vida, suas tristezas, suas perdas, sua tristeza e, em seguida, lembre-se que aqui está você, capaz de se lembrar deles, que você superou os piores momentos da sua vida, você conseguiu superar o trauma, você superou a provação, você suportou a tentação, você sobreviveu ao relacionamento ruim, você está abrindo caminho para sair da escuridão. Lembre-se das coisas ruins, então olhe para ver onde você está agora.


Esse processo de lembrar como a vida costumava ser difícil e o quão longe chegamos estabelece um contraste explícito que é um terreno fértil para a gratidão. Nossas mentes pensam em termos contrafactuais - comparações mentais que fazemos entre a maneira como as coisas são e como as coisas poderiam ter sido diferentes. Comparar o presente com tempos negativos no passado pode nos fazer sentir mais felizes (ou pelo menos menos infelizes) e aumentar nossa sensação geral de bem-estar. Isso abre a porta para enfrentar com gratidão.


Experimente este pequeno exercício. Primeiro, pense em um dos eventos mais infelizes que você experimentou. Com que frequência você se pega pensando sobre este evento hoje? O contraste com o presente o faz sentir-se grato e satisfeito? Você percebe que sua situação de vida atual não é tão ruim quanto poderia ser? Tente perceber e apreciar o quanto sua vida está melhor agora. A questão não é ignorar ou esquecer o passado, mas desenvolver um quadro de referência frutífero no presente, a partir do qual ver experiências e eventos.


Existe outra maneira de promover a gratidão: confrontar sua própria mortalidade. Em um estudo recente, os pesquisadores pediram aos participantes que imaginassem um cenário em que ficariam presos em um prédio em chamas, vencidos pela fumaça e mortos. Isso resultou em um aumento substancial nos níveis de gratidão, como os pesquisadores descobriram quando compararam esse grupo a duas condições de controle que não eram obrigadas a imaginar suas próprias mortes.


Dessa forma, lembrar o que é ruim pode nos ajudar a valorizar o que é bom. Como disse o teólogo alemão e pastor luterano Dietrich Bonhoeffer: “A gratidão transforma as dores da memória em uma alegria tranquila”. Sabemos que a gratidão aumenta a felicidade, mas por quê? A gratidão maximiza a felicidade de várias maneiras, e uma das razões é que ela nos ajuda a reformular as memórias de eventos desagradáveis ​​de uma forma que diminui seu impacto emocional desagradável. Isso implica que lidar com gratidão envolve a busca por consequências positivas de eventos negativos. Por exemplo, encarar a vida com gratidão pode envolver perceber como um evento estressante moldou quem nós somos hoje e nos levou a reavaliar o que é realmente importante na vida.


Reformular os desastres


Dizer que a gratidão é uma estratégia útil para lidar com os sentimentos feridos não significa que devemos tentar ignorar ou negar o sofrimento e a dor.


O campo da psicologia positiva às vezes foi criticado por não reconhecer o valor das emoções negativas. Barbara Held, do Bowdoin College, no Maine, por exemplo, afirma que a psicologia positiva tem sido muito negativa sobre a negatividade e muito positiva sobre a positividade. Negar que a vida tem sua parcela de decepções, frustrações, perdas, mágoas, contratempos e tristezas seria irreal e insustentável. A vida tem sofrimento. Nenhuma quantidade de exercícios de pensamento positivo mudará essa verdade.


Portanto, dizer às pessoas simplesmente para se animarem, contar suas bênçãos e lembrar o quanto ainda devem ser gratas pode certamente causar muito dano. Processar uma experiência de vida por meio de lentes de agradecimento não significa negar a negatividade. Não é uma forma de ciência da felicidade superficial. Em vez disso, significa perceber a capacidade que você tem para transformar um obstáculo em uma oportunidade. Significa reformular uma perda em um ganho potencial, transformando a negatividade em canais positivos de gratidão.


Um crescente corpo de pesquisas examinou como funciona a reformulação de gratidão. Em um estudo conduzido na Eastern Washington University, os participantes foram designados aleatoriamente a um dos três grupos de redação que relembrariam e relatariam uma memória aberta desagradável - uma perda, uma traição, vitimização ou alguma outra experiência pessoalmente perturbadora. O primeiro grupo escreveu por 20 minutos sobre questões irrelevantes para sua memória. O segundo escreveu sobre sua experiência com relação à memória.


Os pesquisadores pediram ao terceiro grupo que se concentrasse nos aspectos positivos de uma experiência difícil - e descobrisse o que poderia fazer com que se sentissem gratos. Os resultados mostraram que eles demonstraram menos impacto emocional desagradável do que os participantes que apenas escreveram sobre a experiência sem serem induzidos a ver como ela poderia ser reformulada com a gratidão. Os participantes nunca foram orientados a não pensar sobre os aspectos negativos da experiência, negar ou ignorar a dor. Além disso, os participantes que encontraram motivos para agradecer demonstraram menos memórias invasivas, como se perguntar por que isso aconteceu, se poderia ter sido evitado ou se eles acreditaram que causaram isso. Pensar com gratidão, mostrou este estudo, pode ajudar a curar memórias perturbadoras e, de certo modo, transformá-las - um resultado que ecoou em muitos outros estudos.


Há alguns anos, pedi a pessoas com doenças físicas debilitantes que escrevessem uma narrativa sobre uma época em que sentiram um profundo sentimento de gratidão por alguém ou por algo. Pedi a eles que se permitissem recriar essa experiência em suas mentes para que pudessem sentir as emoções como se tivessem se transportado de volta no tempo para o evento em si. Também pedi que refletissem sobre o que sentiram naquela situação e como expressaram esses sentimentos. Diante das doenças progressivas, as pessoas costumam achar a vida extremamente desafiadora, dolorosa e frustrante. Eu me perguntei se seria possível para eles encontrarem algo pelo qual ssentiam-se gratos. Para muitos deles, a vida girava em torno de visitas à clínica e à farmácia. Eu não ficaria surpreso se o ressentimento obscurecesse a gratidão.


No final das contas, a maioria dos entrevistados teve problemas para definir uma questão específica - eles simplesmente tinham muitas situações em suas vidas pelas quais sentiam-se gratos. Fiquei impressionado com a profundidade do sentimento que transmitiam em seus ensaios e com o aparente poder transformador da gratidão em muitas de suas vidas.


Ficou evidente ao ler esses relatos narrativos que (1) a gratidão pode ser um sentimento extremamente intenso, (2) a gratidão por bençãos ("Presentes") que os outros tomam facilmente como certos pode ser a forma mais poderosa e frequente de agradecimento e (3) a gratidão pode ser escolhida apesar de sua situação ou circunstâncias. Também fiquei impressionado com a reviravolta redentora que ocorreu em quase metade dessas narrativas: de algo ruim (sofrimento, adversidade, aflição) veio algo bom (nova vida ou novas oportunidades) pelo qual a pessoa se sentiu profundamente grata.


Se você está preocupado com uma memória ou uma experiência desagradável do passado, você pode tentar reformular como você pensa sobre isso usando a linguagem da gratidão. As experiências desagradáveis ​​em nossas vidas não precisam ser traumáticas para que possamos nos beneficiar delas com gratidão. Quer seja um evento grande ou pequeno, aqui estão algumas perguntas adicionais a se fazer:

  • Que lições a experiência me ensinou?

  • Posso encontrar maneiras de ser grato pelo que aconteceu comigo agora, embora eu não estivesse no momento em que aconteceu?

  • Que habilidade a experiência despertou em mim e que me surpreendeu?

  • Como agora sou mais a pessoa que quero ser por causa disso? Meus sentimentos negativos sobre a experiência limitaram ou impediram minha capacidade de sentir gratidão desde que ela ocorreu?

  • A experiência removeu um obstáculo pessoal que antes me impedia de me sentir grato?

Lembre-se de que seu objetivo não é reviver a experiência, mas sim obter uma nova perspectiva sobre ela. O simples ensaio de um evento desagradável nos faz sentir ainda pior. É por isso que a catarse raramente é eficaz. Desabafar emocionalmente sem um respectivo insight não produz mudanças. Nada mais que escrever sobre o evento ajudará a menos que você seja capaz de ter uma perspectiva nova e redentora sobre ele. Essa é uma vantagem que as pessoas gratas têm - e é uma habilidade que qualquer pessoa pode aprender.




Tradução livre por Lina Cerveira do artigo original em https://greatergood.berkeley.edu/article/item/how_gratitude_can_help_you_through_hard_times